Ministério para os Seminaristas

segunda-feira, 28 de abril de 2014

Santos por Amor!

Nos primeiros séculos, os que tinham sido batizados na Vigília pascal se vestiam de branco até o segundo domingo da Páscoa, oferecendo a todos o testemunho externo da vida nova recebida no Sacramento. Neste final de semana, é toda a Igreja, vestida de gala, que deseja oferecer ao mundo inteiro a roupa da alegria, chamada santidade, com a canonização de João XXIII e João Paulo II, duas pérolas da coroa da Igreja em nosso tempo, cujos exemplos são oferecidos como referência para a maravilhosa aventura cristã. São dois contemporâneos, com os quais muitos de nós compartilharam diálogo e convivência. Seu modo de viver está bem ao nosso alcance, suas palavras e ensinamentos ecoaram pelo mundo através dos meios de comunicação de nossa época. Mostram que a santidade é atual e possível.

         Os santos são homens e mulheres que levaram a sério a graça do Batismo e decidiram viver não para si, mas para Deus e para o serviço dos outros. Não programaram ser canonizados, mas quiseram ser bons cristãos. João XXIII, em seu diário, descreveu com simplicidade e profundidade o seu dia a dia, seus roteiros de oração e meditação, suas decisões cotidianas de perdão, alegria, seriedade no seguimento de Nosso Senhor. João Paulo II, que viveu na infância e na juventude capítulos dolorosos provocados pelas ideologias e autoritarismos do século XX, conduziu a Igreja à virada do milênio e nos brindou justamente com o convite à santidade: "Se o Batismo é um verdadeiro ingresso na santidade de Deus através da inserção em Cristo e da habitação do seu Espírito, seria um contrassenso contentar-se com uma vida medíocre, pautada por uma ética minimalista e uma religiosidade superficial. Perguntar a um catecúmeno: 'Queres receber o Batismo?' significa ao mesmo tempo pedir-lhe: 'Queres fazer-te santo?' Significa colocar na sua estrada o radicalismo do Sermão da Montanha: 'Sede perfeitos, como é perfeito vosso Pai celeste' (Mt 5,48). Este ideal de perfeição não deve ser objeto de equívoco vendo nele um caminho extraordinário, percorrível apenas por algum gênio da santidade. Os caminhos da santidade são variados e apropriados à vocação de cada um. Agradeço ao Senhor por me ter concedido beatificar e canonizar muitos cristãos, entre os quais numerosos leigos que se santificaram nas condições ordinárias da vida. É hora de propor de novo a todos, com convicção, esta medida alta da vida cristã ordinária: toda a vida da comunidade eclesial e das famílias cristãs deve apontar nesta direção". (Novo millenio ineunte, 31).

         João XXIII viveu as duras realidades das duas guerras mundiais e veio a suceder, visto como eventual papa "de transição", o grande Papa Pio XII. Como alguém que trata de amenidades, fez saber aos que com ele trabalhavam, no início de seu pontificado, que convocaria um Concílio Ecumênico. Dali para frente, provocou na Igreja a oração e a preparação efetiva para o que o próprio Papa chamou de nova primavera, desejando uma nova estação de abertura e diálogo com todas as realidades de nosso tempo. Os cinco anos de pontificado valeram séculos! "Mater et Magistra" e "Pacem in terris" foram duas Encíclicas que firmaram princípios e práticas para a ação social da Igreja. Abriu e conduziu a primeira Sessão de trabalhos do Concílio Vaticano II, mostrou ao mundo a face da bondade, abriu sorrisos, foi ao encontro dos mais sofredores, pintou de bom humor o rosto da Igreja! Viveu a dura experiência de uma enfermidade dolorosa, com o câncer que o levou à morte, parecido com tanta gente de nosso tempo. Sim, foi homem, Papa, irmão, sorriso de Deus para sua época. No próximo Domingo, elevado definitivamente à glória dos altares, resplandece como presente de Deus à Igreja e à humanidade.

         De João Paulo II nunca se falará suficientemente. Um magistério pontilhado pela sensibilidade inusitada a todas as situações humanas e desafios a serem enfrentados pela Igreja. Uma presença universal efetiva, indo até os confins da terra para levar a Boa Nova do Evangelho. Aquele que nas lides da Polônia havia enfrentado nazistas e comunistas, corajoso na liderança dos católicos para se manterem fiéis à fé cristã, tesouro maior de sua nação, foi conduzido ao sólio de Pedro em mil, novecentos e setenta e oito, permanecendo à frente da Igreja até o dia dois de abril de dois mil e cinco, na véspera Festa da Divina Misericórdia. E no próprio Domingo da Misericórdia é agora canonizado. Quantos adultos, jovens e crianças só tiveram esta figura de Papa em seu horizonte de Igreja, até que o Senhor o chamou para a sua Páscoa pessoal. Naquele início de noite de sua partida, desejoso de ir para estar com o Senhor, tinha o coração agradecido especialmente aos jovens aos quais tantas vezes se dirigiu e ali se encontravam, bem perto dele. Apagou-se como uma chama, deu tudo de si à Igreja e ao mundo. Em seus funerais, uma faixa emergia no meio da multidão - "Santo subito" - pedindo que fosse logo aclamado santo. Seu sucessor, o grande Bento XVI, teve a alegria de beatificá-lo, numa apoteótica afluência de gente do mundo inteiro, no dia primeiro de maio de dois mil e onze. Seus ensinamentos continuam a ser conhecidos e aprofundados na Igreja e no mundo. O convite feito, no início de seu pontificado, continua atual e provocante: "Não tenhais medo de acolher Cristo e de aceitar o seu poder! Antes, procurai abrir, melhor, escancarar as portas a Cristo! Ao seu poder salvador abri os confins dos Estados, os sistemas econômicos assim como os políticos, os vastos campos de cultura, de civilização e de progresso! Não tenhais medo! Cristo sabe bem 'o que é que está dentro do homem'. Somente Ele o sabe!" (Homilia da Missa de inauguração do Pontificado de João Paulo II, 22 de outubro de 1978)

         Agora, Papa Francisco canoniza os dois Papas. A Igreja oferece, na Festa da Divina Misericórdia, dois presentes de amor. Fizerem-se santos pela Igreja e pela humanidade, foram homens de nosso tempo, amaram a Igreja e se entregaram por ela. Louvado seja o Senhor, pela história, o exemplo e a intercessão dos dois heróis de nosso tempo.

         São João XXIII, rogai por nós!
         São João Paulo II, rogai por nós!

         Dom Alberto Taveira Corrêa
         Arcebispo Metropolitano de Belém do Pará        

terça-feira, 24 de setembro de 2013

Inscrições abertas para o Renasem 2014!!!


APRESENTAÇÃO


O Renasem é promovido pela Renovação Carismática Católica do Brasil (RCCBrasil), através do Ministério para Seminaristas, e tem por objetivo fomentar nos Seminaristas Diocesanos e Religiosos provenientes dos vários Grupos de Oração e Novas Comunidades do Brasil a Espiritualidade que despertou suas vocações, conforme instrução da Exortação Apostólica Pastoris Dabo Vobis 68.

O Ministério para Seminaristas tem como Diretor Espiritual Dom Alberto Taveira Corrêa, Arcebispo Metropolitano de Belém do Pará.

Em 2014, vamos realizar o 34º RETIRO NACIONAL DE SEMINARISTAS (Renasem), em Palmas/TO, de 13 a 17 de janeiro. É o Renasem no coração do Brasil!!





PRESENÇAS CONFIRMADAS

* Dom Alberto Taveira, arcebispo de Belém do Pará, diretor espiritual do Renasem
* Pe. Roger Luis, membro da Comunidade Canção Nova
* Dom Pedro Brito Guimarães, arcebispo de Palmas, presidente da Comissão Episcopal para os Ministérios Ordenados (CNBB)
* Padre Dudu, do Rio de Janeiro, difusor da devoção à Beata Elena Guerra
* Katia Roldi Zavaris, presidente do conselho nacional da RCC Brasil




LOCAL

O 34º Renasem acontecerá no Colégio Marista de Palmas - TO.
Endereço: Quadra 110 Sul (ARSE 14) - Lotes 2 e 4 - Alameda 23 
CEP 77020-158 - Palmas - TO
Fone: (63) 2111-1600
Fax: (63) 2111-1631


DATA 

13 a 17 de janeiro de 2014

O retiro começa no dia 13 À NOITE. Portanto, os participantes devem chegar durante o dia (haverá traslado do Aeroporto e da Rodoviária).

O retiro termina no dia 17 AO MEIO DIA. No entanto, haverá CITY TOUR no dia 17 À TARDE (haverá traslado para as pessoas que precisarem ir ao meio dia e também para aqueles que ficarem para o passeio).


O QUE LEVAR

Roupa de cama e banho, túnica, liturgia das horas, bíblia, terço, guarda-chuva e boa vontade!
Remédios controlados ou de uso contínuo devem ser providenciados pelo próprio usuário.


QUEM PODE PARTICIPAR

SEMINARISTAS:
- Somente seminaristas diocesanos MAIORES (a partir do 1º ano de Filosofia) ou seminaristas religiosos em etapa equivalente;
- Que já tenham participado de pelo menos um Retiro para Seminaristas ESTADUAL/REGIONAL promovido pelo Ministério para Seminaristas; e/ou
- Que participem ou tenham participado de Grupo de Oração da Renovação Carismática Católica.

DIÁCONOS PERMANENTES:
- Que tenham participação em Grupo de Oração da Renovação Carismática Católica.

DIÁCONOS TRANSITÓRIOS:
- Que tenham participação em Grupo de Oração da Renovação Carismática Católica;
- Ou que já tenham participado de outras edições do Renasem.

PADRES:

- Que tenham participação em Grupo de Oração da Renovação Carismática Católica;
- Ou que já tenham participado de outras edições do Renasem;
- Ou que sejam diretores espirituais da Renovação Carismática Católica.

BISPOS:
- Não há restrições.

Em todos os casos, o critério de discernimento para participação no Renasem ficará sob a responsabilidade de cada Coordenador Estadual do Ministério para Seminaristas. TODOS os interessados de cada Estado devem ter contato prévio com seu respectivo coordenador.



QUEM NÃO PODE PARTICIPAR

- Vocacionados;
- Seminaristas diocesanos menores ou seminaristas religiosos em etapa equivalente;
- Quem nunca participou de encontros da Renovação Carismática Católica.
- Menores de idade.


INSCRIÇÕES

As inscrições (de seminaristas, diáconos e padres) serão feitas exclusivamente via Coordenador Estadual do Ministério para Seminaristas, por motivos de segurança. Clique no menu COORDENADORES ESTADUAIS para entrar em contato com o responsável pelo seu Estado.

Em nosso estado, o e-mail de contato com o coordenador é renasemrs@gmail.com .

As inscrições serão realizadas em três lotes:

1º Lote: De 16 de setembro a 31 de outubro de 2013 - R$ 90,00

2º Lote: De 01 de novembro a 31 de dezembro de 2013 - R$ 110,00

3º Lote: De 01 de janeiro a 17 de janeiro de 2014 - R$ 130,00

A inscrição cobre as despesas com alimentação e hospedagem das 16h do dia 13/01/14 (segunda-feira) até 14h do dia 17/01/14 (sexta-feira).



DADOS DA FICHA DE INSCRIÇÃO

Nome completo:
Nome para crachá:
Data de Nascimento:
CPF:
Telefone:
E-mail:
Diocese/Congregação/Comunidade:
Cidade:
Estado:
Seminário:
Telefone do Seminário:

terça-feira, 23 de julho de 2013

Grupo de Oração do Renasem na JMJ

“Quero fazer de ti uma luz para as nações, para que a minha salvação chegue até os confins da terra” (Is 49,6b)

Amados irmãos em Cristo, a paz!

Estamos às vésperas de mais uma Jornada Mundial da Juventude e nosso coração de jovem cristão começa a bater mais forte.

O Rio de Janeiro nesses próximos dias será um lugar privilegiado para a juventude (presente e futuro da Igreja), o lugar que o Senhor escolheu para reunir todas as nações em torno do Santo Padre, e assim, renovarmos nossa pertença à fé católica, recebendo um novo ardor para os tempos vindouros, abrindo-nos às surpresas do Espírito de Deus. Milhares de peregrinos, oriundos dos vários recantos do mundo, professarão alegremente o seguimento a Jesus Cristo, vivo e vencedor. Serão dias intensos que viveremos todos juntos e que ficarão registrados pra sempre na nossa história. Como será interessante conhecermos jovens seminaristas de outros países, outras línguas, outras culturas, uma diversidade que se transforma em unidade porque nos abraçamos em torno de uma só Pessoa: Jesus Cristo!

Diante desse momento singular para a vida da Igreja, reavivando Pentecostes, lugar que a força do alto foi sendo manifestada na vida dos apóstolos, convidamos todos os irmãos seminaristas para participar do Grupo de Oração “Tesouro de Deus” durante a JMJ. Na sexta-feira (26/07) às 13h na Igreja Nossa Senhora de Copacabana (Rua Hilário de Gouveia, 36, Copacabana – RJ). O Grupo de Oração será aberto para Seminaristas, Religiosos, Diáconos e Padres do mundo inteiro.

Vamos juntos inflamar o carisma, reacendo a chama do Espírito Santo que habita em cada um de nós, deixando que a graça do Espírito nos preencha e nos oriente na nossa caminhada vocacional.

O Cristo Redentor nos ensine a viver a acolhida e a comunhão fraterna!
PS. Confira as presenças, no cartaz em anexo, daqueles que estarão conduzindo este Grupo de Oração.

Coordenação Nacional do Ministério para Seminaristas – RCC Brasil

Fonte: www.renasem.com.br

domingo, 19 de maio de 2013

Mensagem de Pentecostes


“Eis que vou fazer do que sejais penetrados pelo Espírito e vivereis” (Ez 37,5b)

Caríssimos irmãos seminaristas, o Espirito de Deus restaura e anima todo o homem que se deixa convencer-se por este sopro extraordinário. Quando no batismo recebemos o Espírito Santo uma missão regeneradora nos penetra, pondo em nós o principio de renovação interior que habilitamos à observância fiel e caridosa à palavra de Deus.

Neste domingo que celebramos a solenidade de Pentecostes, a Igreja mergulha no profundo derramamento do Espirito, isto é, o exemplo da efusão dado em Jerusalém sobre os apóstolos e Maria, a Mãe de Jesus, hoje o atualizamos, quando pedimos que os dons do Espirito Santo venham nos fecundar, nos preencher.

O curioso é saber que, o cenário no qual se dar o cenáculo é marcado pelo medo que estava incutido no coração dos discípulos, devido às perseguições dos judeus. Não obstante, nos dias atuais, quantas vezes, muitos de nos seminaristas, somos invadidos e nos deixamos levar pelo medo que rouba-nos a coragem de testemunhar e anunciar a verdade: libertação e salvação do ser humano (Cf. Jo 8, 32). Com a profusão do Espírito Santo aqueles que estavam reunidos numa casa as portas fechadas, ficaram cheios do Espírito e começaram a falar sem medo (Cf. At 2, 4). Meu irmão, que Jesus Cristo é verdadeiramente o Senhor e quem nos revela é o próprio Espirito Santo. (Cf. 1Cor 12, 3b). Não tenhamos medo, pois, de nos “nos deixar conduzir pelo Espirito” (Gl 5, 16), porque graças a ação do Espirito é que somos livres em Cristo Jesus.

O efeito de Pentecostes na vida dos cristãos não dispersa, mas reúne; não confunde, mas esclarece as nações; não afugenta, mas atrai todos para o Cristo Senhor. Os cristãos batizados, selados no Espírito Santo, devemos pregar e falar a linguagem da Unidade e do Amor que nos faz irmãos, num só coração e numa só alma; membros do Corpo Místicos de Jesus Cristo. O Pentecostes deve restaurar em cada um de nós seminarista, a alegria de ser vocacionado de Deus, escolhido e eleito para servir a Igreja por amor a CRISTO; sendo Ele o ápice da vida consagrada. Aqui recordo as palavras do padre Eduardo Braga (1)  citando o Papa Emérito Bento XVI quando se dirigiu aos párocos de Roma na Lectio Divina em março de 2011: “… O Espírito Santo nos constitui; ou seja, o sacerdócio não é uma realidade na qual se encontra um trabalho, uma profissão útil, bonita, agradável e que se escolhe. Não! Somos constituídos pelo Espírito Santo. Só Deus pode escolher os seus sacerdotes e, se sermos escolhidos, somos escolhidos por Ele”.

Amados irmãos seminaristas, o meu desejo é que Pentecostes seja uma força animadora para as nossas vocações. Certo de que, se abrimo-nos de coração sincero à ação do Espírito santo seremos curados e ungidos e nos tornaremos apóstolos do Espírito, vivamos hoje novamente um Pentecostes renovado para a IGREJA. Entusiasmado em viver e proclamar com alegria a Palavra de Deus, sejamos propagadores da CULTURA de Pentecostes, no nosso Seminário, na nossa pastoral, na nossa Universidade… Enfim, por onde passarmos.

Que Nossa Senhora de Pentecostes nos ensine a viver segundo o Espírito, para que no cotidiano saibamos responder positivamente ao chamado do Senhor.

Em Cristo,

William Francisco da Silva
Seminarista da Diocese de Caruaru – PE
Coordenador Nacional do Ministério para seminaristas – RCC Brasil

quarta-feira, 1 de maio de 2013

"Diga aos membros da Renovação Carismática que eu os amo muito"



altDom Rino Fisichella, presidente do Pontifício Conselho para a Promoção da Nova Evangelização, presidiu ontem a missa que encerrou o segundo dia da 36ª Assembleia Nacional italiana da Renovação Carismática, em Rimini.

Antes da missa, Fisichella transmitiu uma mensagem inesperada, que, literalmente, fez explodir de alegria os quinze mil presentes. Após o sinal da cruz, ele dirigiu a todos a saudação afetuosa do papa Francisco. "Antes de começar esta celebração, eu trago a vocês uma saudação. Esta manhã, antes de sair, eu encontrei o papa Francisco e lhe disse: Santo Padre, vou a Rimini, onde estão reunidos milhares e milhares de fiéis da Renovação Carismática, homens, mulheres, jovens. O papa, com um grande sorriso, me disse: Diga a eles que eu os amo muito. E como se não bastasse, antes de se despedir ele acrescentou: Escute, diga a eles que eu os amo muito porque na Argentina eu era o responsável. E por isso eu os amo muito".

Em sua homilia, Fisichella dedicou palavras de afeto aos participantes do grande encontro, agradecendo-lhes "pela grande obra de nova evangelização que já estão realizando há um longo tempo", mas que "se abre diante do esforço de todos através do Plano Nacional para a Nova Evangelização, que passa a ser a bússola para trabalhar e agir no coração da Igreja".

Em sua pregação breve e concreta, dom Rino focou em seguida no "trabalho" da nova evangelização e na figura de Jesus como "o mestre que nos acompanha e que não nos abandona, num mundo em que tantas vezes o cristão tem que andar na contramão".

Ele também lembrou que Jesus é a "revelação que indica o caminho que Deus sempre planejou para nós". E acrescentou: “A pergunta de Tomás é a nossa pergunta: Senhor, Tu és o caminho, mas como podemos conhecê-lo?".

"O segredo da nossa existência, a realização plena da felicidade, vem quando aceitamos o plano de Deus para nós e o colocamos em prática. Mas nem sempre o que o coração entende chega a uma realização plena e concreta".

Uma "realização", enfatizou o bispo, que só se encontra em Cristo, que nunca nos deixa sozinhos: "Ele é a via para sabermos quem somos, de onde viemos e para onde vamos. Ele nos mostra o objetivo". A nova evangelização, portanto, "nos chama a fazer da fé a nossa certeza, a construir a vida em Jesus Cristo".

O testemunho, por isso, disse o presidente do Pontifício Conselho para a Nova Evangelização, "não pode negligenciar a proclamação da esperança da ressurreição, que contrasta com a tendência da cultura da morte, na qual a falta de Deus remove toda perspectiva e direção futura. Temos que nos tornar peregrinos: o objetivo é Ele, Jesus. É com este objetivo que temos que nos reunir".

Fonte: Zenit

sexta-feira, 15 de março de 2013

Papa Francisco aos cardeais: Se confessarmos um Cristo sem a Cruz, não somos discípulos do Senhor


Vaticano, 14 Mar. 13 / 04:15 pm (ACI/EWTN Noticias).- Ao presidir a Missa de Ação de Graças por sua eleição como novo Pontífice diante de todos oscardeais eleitores, o Papa Francisco pronunciou sua primeira homilia e explicou que "se não confessamos Jesus Cristo, as coisas não avançam”.  O Papa também recordou que não se pode anunciar Jesus Cristo sem a cruz, pois sem ela não podemos ser discípulos do Senhor.

Na Capela Sistina, local onde ontem foi eleito como o Pontífice número 266 daIgreja Católica, o Papa Francisco refletiu sobre as leituras da liturgia de hoje e disse com claridade, citando o converso francês Leon Bloy, que "quem não prega o Senhor prega o Diabo".

O Santo Padre, em uma breve homilia espontânea que durou aproximadamente 7 minutos, assinalou que "podemos caminhar o que quisermos, podemos edificar muitas coisas, mas a não ser confessamos Jesus Cristo, ass coisa não avançam. Converteremo-nos em uma ONG que dá pena, mas não na Igreja, esposa do Senhor".

"Quando não se caminha, se detém. Quando não se edifica sobre pedras, o que acontece? Acontece o que acontece às crianças na praia quando fazem castelos de areia, tudo cai e não há consistência".

O Papa, relacionando as três leituras de hoje, disse que o que as une "é o movimento. Na primeira leitura o movimento é o caminho, na segunda leitura, o movimento é a edificação da Igreja, na terceira, o Evangelho, o movimento está na confissão. Caminhar, edificar, confessar".

"Nossa vida é um caminho. Quando nos detemos, não avançamos. Caminhar sempre, em presença do Senhor, na luz do Senhor, procurando viver de modo irrepreensível é o que Deus pede a Abraão em sua promessa".

Sobre a ação de edificar, o Papa disse que ao falar sobre "edificar a Igreja se fala de pedras: as pedras têm consistência, mas são pedras vivas, ungidas pelo Espírito Santo. Edificar a Igreja, a Esposa de Cristo, sobre esta pedra angular que é o mesmo Senhor".

O Santo Padre alentou então a "caminhar, edificar-construir, confessar”.
“Mas a coisa não é tão fácil, porque ao caminhar, ao construir, ao confessar nestes tempos tão agitados, há movimentos que não são propriamente movimentos do caminho: são movimentos que nos jogam para trás".

O Papa Francisco disse ainda que "quando caminhamos sem a Cruz, quando edificamos sem a Cruz e quando confessamos a um Cristo sem Cruz, não somos discípulos do Senhor, somos mundanos: somos bispos, sacerdotes, cardeais, papas, mas não discípulos do Senhor".

"Queria que todos, logo depois destes dias de graça, tenhamos a coragem de caminhar em presença do Senhor, com a Cruz do Senhor, de edificar a Igreja sobre o sangue do Senhor, que está sobre a Cruz, e de confessar a única glória, Cristo crucificado. E assim a Igreja irá adiante", sublinhou.

Ao concluir, fez votos para que "o Espírito Santo, a oração da Virgem, nossa Mãe, nos conceda esta graça: caminhar, edificar, confessar Jesus Cristo crucificado. Assim seja".

Fonte: ACI Digital

domingo, 17 de fevereiro de 2013

Papa Bento XVI anuncia a renúncia de seu pontificado



Bento XVI anunciou, nessa segunda-feira (11), que renunciará no dia 28 de fevereiro. O Vaticano confirmou a notícia e afirmou que o papado vai ficar vago até que o sucessor seja escolhido.O secretário-geral da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), dom Leonardo Steiner, disse que, apesar da "surpresa" com a renúncia, já havia percebido sinais de "dificuldades" físicas do pontífice, durante encontro em dezembro, em Roma. "Estava muito lúcido, muito presente em todas as discussões e muito bem humorado. Mas sentimos que, fisicamente, já vinha com dificuldades no caminhar."



Eis o texto integral do anúncio:

Caríssimos Irmãos,

convoquei-vos para este Consistório não só por causa das três canonizações, mas também para vos comunicar uma decisão de grande importância para a vida da Igreja. Depois de ter examinado repetidamente a minha consciência diante de Deus, cheguei à certeza de que as minhas forças, devido à idade avançada, já não são idóneas para exercer adequadamente o ministério petrino. Estou bem consciente de que este ministério, pela sua essência espiritual, deve ser cumprido não só com as obras e com as palavras, mas também e igualmente sofrendo e rezando. Todavia, no mundo de hoje, sujeito a rápidas mudanças e agitado por questões de grande relevância para a vida da fé, para governar a barca de São Pedro e anunciar o Evangelho, é necessário também o vigor quer do corpo quer do espírito; vigor este, que, nos últimos meses, foi diminuindo de tal modo em mim que tenho de reconhecer a minha incapacidade para administrar bem o ministério que me foi confiado. Por isso, bem consciente da gravidade deste acto, com plena liberdade, declaro que renuncio ao ministério de Bispo de Roma, Sucessor de São Pedro, que me foi confiado pela mão dos Cardeais em 19 de Abril de 2005, pelo que, a partir de 28 de Fevereiro de 2013, às 20,00 horas, a sede de Roma, a sede de São Pedro, ficará vacante e deverá ser convocado, por aqueles a quem tal compete, o Conclave para a eleição do novo Sumo Pontífice.

Caríssimos Irmãos, verdadeiramente de coração vos agradeço por todo o amor e a fadiga com que carregastes comigo o peso do meu ministério, e peço perdão por todos os meus defeitos. Agora confiemos a Santa Igreja à solicitude do seu Pastor Supremo, Nosso Senhor Jesus Cristo, e peçamos a Maria, sua Mãe Santíssima, que assista, com a sua bondade materna, os Padres Cardeais na eleição do novo Sumo Pontífice. Pelo que me diz respeito, nomeadamente no futuro, quero servir de todo o coração, com uma vida consagrada à oração, a Santa Igreja de Deus.

BENEDICTUS PP XVI

Fonte: Rádio Vaticana